Destaques do mês #6

O final do primeiro semestre de 2018 testemunhou o lançamento de títulos de grandes nomes como Kanye West, a dupla Carter, Christina Aguilera, Bebe Rexha entre outros. A quebrar o padrão dominante do hip hop, Florence + The Machine e Father John Misty foram figuras dignas de destaque.

Review: O reencontro de Christina Aguilera consigo mesma

Após o lançamento de dois títulos que priorizaram as batidas comerciais em detrimento dos compassos ternários, encaixando pelo meio uma série de baladas lowtempo que pouco acrescentavam ao bom fluxo desses álbuns, Liberation regressa com uma fórmula não tão inédita mas também não menos refrescante.

Destaques do mês #5

Na entrada para a reta final do primeiro semestre de 2018 assistimos a lançamentos de alguns nomes de peso da indústria musical mainstream, entre eles Shawn Mendes, Charlie Puth, BTS, Arctic Monkeys entre outros.

Review: música pop, política e Frank Turner

Oscilando entre o folk pop e o rock, Be More Kind flui docemente entre as faixas, alternando entre momentos suaves, como a faixa de título homónimo, e outros mais exaltantes como “1933”, “Make America Great Again”, “Blackout” ou “Brave Face”.

Destaques do mês #4

Abril foi um mês particularmente interessante para os fãs de música minimalista, bem como para os amantes de música de dança

Björk: do pior ao melhor álbum

Uma das mais icónicas e aclamadas figuras da música pop europeia, eleita em 2015 pela revista TIME uma das 100 personalidades mais influentes do mundo, Björk é detentora de um catálogo musical bastante amplo e variadíssimo, com influências que vão desde jazz até à música acapella, passando por house, rock, folk entre muitos outros subgéneros da música experimental.

Destaques do mês #3

O mês de março foi um dos mais singulares no que toca a lançamentos no mundo da música. Do pop psicadélico, caso do álbum de estreia do grupo Superorganism, ao rock experimental de Jack White, o terceiro mês de 2018 teve não só alguns dos melhores lançamentos do ano até agora como também os mais…

Retro review: Born This Way

“Chegado 2011, ainda que sem abrir mão dos mesmos elementos dos dois primeiros lançamentos, Born This Way foi o primeiro título de Gaga que demarcou um notório afastamento da sonoridade anterior em prole de algo mais requintado e algo extremista.”