Flash review: Oh Sees relevam o rock psicadélico

Orc parece de facto o título ideal para este trabalho. É violento em certos momentos, imprevisível, com prestações vocais hipnotizantes e algo bizarras e, em certos pontos, difícil de lidar com a sua presença. Um verdadeiro álbum rock.

Coldplay: do pior ao melhor álbum

Uma das maiores banda britânicas do rock e pop alternativo, Coldplay dispensam apresentações. Donos de uma carreira relativamente extensa, iniciada na segunda metade dos anos 90, depressa conquistaram o grande público com o generoso álbum de estreia Parachutes – responsável por alguns dos hits mais conhecidos da banda como “Yellow” e “Trouble” – tendo, ao longo de cerca de 20 anos, mantido um bom desempenho comercial e a agradar continuamente os seus seguidores.

Retro review: YS

Com versos belíssimos, que facilmente ultrapassam álbuns e até discografias inteiras de outros artistas, “Emily” já mostra por si só uma parte do imenso poder magistral de YS.

Glory: um flop previsível ou nem tanto?

Tendo em conta a rápida forma como Glory caiu nas vendas em termos mundiais, principalmente a partir da segunda semana, chegando em pouco tempo a equiparar-se com o experimental Skeleton Tree de Nick Cave, somando o mau desempenho dos singles mesmo após toda a publicidade, a única explicação para tal acontecimento foi simplesmente o desinteresse do público em geral.

Flash review: Come Over When You’re Sober, Parte 1.

Levemos a pontuação da nota final como o primeiro passo para o estabelecimento de uma nova geração, de uma pseudo contra-cultura dentro do rap, cujos pilares para a sua (des)formação são estruturas musicais previsíveis, uma melodia ou outra aceitável, e inexistência de conteúdo que, por sua vez, tenta esconder-se criando um melodrama, extremamente frágil, típico de um adolescente que ainda não tem qualquer tipo de visão para o seu próprio futuro.

Review: renascimento de Kesha

Com uma nova e mais limpa imagem, Kesha jogou a melhor combinação do baralho e entregou aquele que poderá ser considerado verdadeiramente como o seu primeiro álbum da carreira.

Review: o vício, dor e saudade de Lana Del Rey

Ainda que não estejamos perante aquele que poderia ser definido como o álbum de viragem da carreira de Lana Del Rey, nota-se uma clara sofisticação do que já havia sido apresentado antes, pelo que a “ausência” de novidades não é uma pedra no caminho definido desta viagem.

Review: as várias faces de Danse Macabre

De uma forma quase curiosa, Danse Macabre parece ser um álbum feito com os olhos postos no final do século XIX e início do século XX, buscando elementos sociais dessa época e que, mesmo nos tempos correntes, continuam bastante presentes a vários níveis.

Review: Puta Volcano voam alto em Harmony Of Spheres

Harmony Of Spheres é uma verdadeira obra-prima, apesar de conter apenas 8 faixas, somando 34 minutos de duração na sua totalidade. Números que, podendo parecer demasiado pequenos, contrastam com a grandiosidade daquele que poderá ser um dos melhores álbuns hard rock da década.

22 anos depois: o impacto de Jagged Little Pill

Os anos 90 foram uma verdadeira época dourada para a música – pessoalmente a minha década preferida em termos musicais – em que imensos novos nomes alcançaram o estrelato, uns de forma mais planeada como Britney Spears, Spice Girls, Backstreet Boys ou Mariah Carey, outros de forma inesperada mas não menos impactante como Nirvana, Björk,…

A humanização da máquina em Automaton

Quando comparado com Rock Dust Light Star, Automaton sobressai como algo mais futurista, descontraído e com menos pausas sem abrir mão do som já conhecido pelos fãs de Jamiroquai. Um must listen de 2017 sem qualquer dúvida.

Katy Perry de mãos dadas com retro synthpop em Witness

Tal como uma moeda, o álbum vai alternando entre os seus dois lados relativamente opostos – mais uma vez, de uma forma muito mais equilibrada que PRISM, que emprestou o sentido de orientação a uma bússola com os polos magnéticos trocados.