Review: a busca do paraíso utópico de Björk

Após o enorme turbilhão emocional que resultou num dos seus álbuns mais emotivos até hoje, Vulnicura, traduzindo-se como “cura para feridas”, a cantora islandesa embarca numa nova e ambiciosa jornada no seu mais recente trabalho, Utopia, em busca da substância espiritual que a complete.

Flash review: Blue Lips, duas partes de um meio álbum

Com Blue Lips o padrão menos positivo continua presente, embora as esperanças de uma mudança radical fossem praticamente nulas, especialmente tendo em conta que este álbum é tido como a continuação do trabalho anterior, Lady Wood.

Flash review: o futurismo medieval de Peasant

Embora praticamente toda a música atual tenha como bases as teorias e combinações sonoras que foram sendo desenvolvidas ao longo dos séculos, desde a Época Clássica, atravessando toda a Idade Média onde se pluralizou até chegar à diversidade atual, continua a ser curioso imaginar, numa perspetiva moderna e atual, como seria interpretado o corpo musical…

Flash review: a sátira da sociedade contemporânea em MASSEDUCTION

Se a elevada expectativa em torno deste trabalho poderia comprometê-lo, ao fim de 41 minutos de duração, MASSEDUCTION não demonstrou ser uma jogada em vão. Para além da sonoridade inconfundível e das mensagens que se desenrolam por toda a obra, todo o conceito por detrás desta peça é desempenhado de forma única e jamais genérica.

Madonna: do pior ao melhor álbum

Ao longo de mais de 3 décadas, a Rainha do Pop conseguiu manter-se no estrelato como quase mais nenhuma outra artista conseguiu, deixando a sua marca em assuntos controversos como o sexo, religião e política, sem perder a sensibilidade pop que lhe rendeu uma verdadeira legião de fãs ao longo da sua extensa carreira

Flash review: O drama, e não só, na estreia de Nu3l

Nu3l, nome estilizado, não é de todo novato no mundo das artes nacionais. Já participou em vários espetáculos, enquanto ator, assim como em concursos de talentos na RTP e TVI. Ainda assim, só recentemente decidiu apostar na sua veia musical de forma mais séria, com o lançamento do álbum de estreia Drama, de forma independente….

Review: Marilyn Manson não é mais O Anticristo

Ao longo de 47 minutos, Heaven Upside Down continua a explorar território similar ao álbum anterior mas com atitude mais vincada e forte, à semelhança das suas obras da segunda metade dos anos 90, uma verdadeira fase de ouro na sua carreira.

Flash review: Oh Sees relevam o rock psicadélico

Orc parece de facto o título ideal para este trabalho. É violento em certos momentos, imprevisível, com prestações vocais hipnotizantes e algo bizarras e, em certos pontos, difícil de lidar com a sua presença. Um verdadeiro álbum rock.

Coldplay: do pior ao melhor álbum

Uma das maiores banda britânicas do rock e pop alternativo, Coldplay dispensam apresentações. Donos de uma carreira relativamente extensa, iniciada na segunda metade dos anos 90, depressa conquistaram o grande público com o generoso álbum de estreia Parachutes – responsável por alguns dos hits mais conhecidos da banda como “Yellow” e “Trouble” – tendo, ao longo de cerca de 20 anos, mantido um bom desempenho comercial e a agradar continuamente os seus seguidores.

Retro review: YS

Com versos belíssimos, que facilmente ultrapassam álbuns e até discografias inteiras de outros artistas, “Emily” já mostra por si só uma parte do imenso poder magistral de YS.

Glory: um flop previsível ou nem tanto?

Tendo em conta a rápida forma como Glory caiu nas vendas em termos mundiais, principalmente a partir da segunda semana, chegando em pouco tempo a equiparar-se com o experimental Skeleton Tree de Nick Cave, somando o mau desempenho dos singles mesmo após toda a publicidade, a única explicação para tal acontecimento foi simplesmente o desinteresse do público em geral.