Review: música pop, política e Frank Turner

Oscilando entre o folk pop e o rock, Be More Kind flui docemente entre as faixas, alternando entre momentos suaves, como a faixa de título homónimo, e outros mais exaltantes como “1933”, “Make America Great Again”, “Blackout” ou “Brave Face”.

Review: Jack White provou que o rock não está morto

Embora possa ser hostilmente recebido por alguns amantes do género, com certeza será relembrado no futuro como um marco e um verdadeiro clássico do rock contemporâneo.

Review: do vício à catarse, eis Melodrama

Passados 4 anos, Melodrama pega na essência de Pure Heroine e molda-a em algo mais extrovertido e menos frio e distante. Lorde deixou de ser uma outsider e entrou no mundo da fama, do materialismo, das festas, dos dissabores sentimentais e das consequências negativas dos excessos.

Review: a lenta e sombria “luz mala”

Juana Molina não talhou apenas uma obra supersticiosa e sombria como também somou um belíssimo mantra folk e eletrónico, tornando este um álbum suave, único, atemporal e marcante em todas as dimensões.

Review: a busca do paraíso utópico de Björk

Após o enorme turbilhão emocional que resultou num dos seus álbuns mais emotivos até hoje, Vulnicura, traduzindo-se como “cura para feridas”, a cantora islandesa embarca numa nova e ambiciosa jornada no seu mais recente trabalho, Utopia, em busca da substância espiritual que a complete.

Flash review: o futurismo medieval de Peasant

Embora praticamente toda a música atual tenha como bases as teorias e combinações sonoras que foram sendo desenvolvidas ao longo dos séculos, desde a Época Clássica, atravessando toda a Idade Média onde se pluralizou até chegar à diversidade atual, continua a ser curioso imaginar, numa perspetiva moderna e atual, como seria interpretado o corpo musical…

Flash review: a sátira da sociedade contemporânea em MASSEDUCTION

Se a elevada expectativa em torno deste trabalho poderia comprometê-lo, ao fim de 41 minutos de duração, MASSEDUCTION não demonstrou ser uma jogada em vão. Para além da sonoridade inconfundível e das mensagens que se desenrolam por toda a obra, todo o conceito por detrás desta peça é desempenhado de forma única e jamais genérica.

Retro review: YS

Com versos belíssimos, que facilmente ultrapassam álbuns e até discografias inteiras de outros artistas, “Emily” já mostra por si só uma parte do imenso poder magistral de YS.

Review: o vício, dor e saudade de Lana Del Rey

Ainda que não estejamos perante aquele que poderia ser definido como o álbum de viragem da carreira de Lana Del Rey, nota-se uma clara sofisticação do que já havia sido apresentado antes, pelo que a “ausência” de novidades não é uma pedra no caminho definido desta viagem.

Review: as várias faces de Danse Macabre

De uma forma quase curiosa, Danse Macabre parece ser um álbum feito com os olhos postos no final do século XIX e início do século XX, buscando elementos sociais dessa época e que, mesmo nos tempos correntes, continuam bastante presentes a vários níveis.