Review de Theory Of Perception

Os elementos futuristas/progressivos, que de vez em quando davam sinais de vida em Identity, foram quase completamente deixados de lado desta vez, dando destaque à veia tradicionalista da banda, que se encontrava meio que adormecida no seu primeiro trabalho.

10 comebacks que não deram muito certo – parte 1

Sabem aqueles planos que têm tudo para dar certo mas que acabam por não correr como esperado? Aqui vão 10 álbuns que foram inicialmente vistos como responsáveis para o regresso triunfante de alguns artistas, mas que no final acabaram por se revelar apenas mais uma pedra no sapato do que propriamente uma vitória limpa.

Review de I See You

(…) I See You é, tal como os trabalhos anteriores da banda, uma obra de arte sólida e bastante interessante que ousa em explorar novos territórios sem deixar para trás as suas origens.

2016 em música

Olá a todos! Tendo já “recuperado” do processo de catarse que foi o meu último post, decidi voltar a escrever algo relacionado com música – porque é das coisas que eu menos escrevo aqui… Como estamos prestes a terminar 2016, um ano repleto tanto de bons momentos assim como de maus, mas que no final…

O que nunca foi dito…

Este não é apenas mais um post. Este é aquele post em que eu tento, de alguma forma, dizer tudo o que esta preso dentro de mim já há muito tempo mas que nunca tive coragem de o fazer seja de que maneira fosse. Não é algo que eu esperava publicar aqui, ou em qualquer…

3 filmes de animação que mais marcaram a minha infância

Mesmo não sendo grande apreciador de cinema, creio que todos nós gostamos ou gostámos de filmes de animação num dado momento da nossa vida, especialmente quando éramos crianças e gostávamos de ver aquele determinado filme ou uma cena em específico vezes sem conta e mesmo assim não enjoava-mos. Talvez seja essa a melhor parte de ver um filme de animação enquanto somos crianças, conseguimos repetir a mesma cena vezes sem conta sem entrar num processo de desgaste tão rápido como quando nos tornamos mais velhos.

Review de Joanne

Três anos após o lançamento do seu último álbum de originais, ARTPOP, Gaga decidiu optar por uma imagem mais minimalista tanto a nível sonoro como visual, deixando o exagero visual de ARTPOP e a complexidade sonora e as letras de Born This Way para trás.

Review de Mad Love

(…) Jojo não se desligou das tendências do mercado, mas soube conjugá-las e fazer algo que definisse aquilo que pode vir a ser um momento de viragem na sua carreira.

Review de Skeleton Tree

Quem julgar o álbum a partir da capa, bastante minimalista, e pelo seu pequeno número de faixas poderá pensar que o que nos será apresentado não será um grande produto, mas engane-se. Skeleton Tree esconde muito por detrás de uma capa tão simples e sem qualquer arte visual chamativa. O que nós é apresentado neste álbum é algo que deverá ser sentido, refletido e não apenas ouvido.

O que correu mal com o Google+?

Com um crescimento inicial extraordinário, tendo registado mais de 10 milhões de novos perfis em duas semanas após o lançamento, o Google+ depressa se viu entre os assuntos mais comentados em vários sites de tecnologia e as impressões iniciais foram relativamente boas, mas não duraram muito tempo.

Tag – 20 músicas

Boa tarde! Desta vez decidi trazer um post um pouco mais “suave” e musical, até porque sempre quis escrever um post deste género desde há imenso tempo. Como eu já vi imensas pessoas, incluindo youtubers, a produzirem conteúdo com base nesta tag, achei que seria boa ideia eu também fazer a mesma coisa – com…